IMPORTANTE

Os exercícios visuais NÃO substituem o tratamento médico oftalmológico convencional. Consulte regularmente o seu oftalmologista, pois o método de exercícios naturais para os olhos é complementar à sua saúde visual. Não desautoriza nem desestimula, de forma alguma, a continuidade do tratamento médico oftalmológico.
Em caso de dúvida ou desconforto em seus olhos, procure o médico oftalmologista. Só ele é autorizado a fazer diagnósticos e a receitar ou suspender qualquer tipo de medicação. Não se automedique nem suspenda qualquer tipo de medicamento ou de tratamento sem a autorização do seu médico oftalmologista.
No caso de período de resguardo ou recuperação de procedimento
cirúrgico ou invasivo, siga rigorosamente as recomendações do seu médico.

Susan Barry é uma neurocientista que conseguiu corrigir por meio da terapia visual problemas como visão dupla e estrabismo e recuperar a visão 3D. Toda sua experiência com os exercícios e a melhora natural da visão está registrada no livro Fixing my Gaze: A Scientist’s Journey in Seeing in Three Dimensions (Fixando meu Olhar: A Jornada de um Cientista para Enxergar em 3 Dimensões), publicado em 2009.

Quando criança, Susan chegou a fazer cirurgias para correção de estrabismo. Porém, a alteração visual persistiu até a vida adulta. Dessa forma, como seus dois olhos viam coisas diferentes, ela estava propensa a ter visão dupla. O resultado disso é que ela aprendeu a desligar a entrada de um olho. E, assim, Susan nunca desenvolveu a capacidade de ver em 3D.

Já adulta, ela foi desencorajada a desistir de procurar saídas para sua alteração visual e disseram-lhe que sempre enfrentaria problemas nesse sentido. No entanto, somente aos 40 anos de idade — após uma consulta com uma optometrista — teve acesso a um programa de exercícios desenvolvidos especialmente para estabilizar e equilibrar sua visão.

Susan Barry iniciou o programa de exercícios em 2002

Durante o treinamento ao qual se dedicou, a neurocientista aprendeu a apontar os dois olhos para o mesmo ponto no espaço. Para sua surpresa, sua visão mudou completamente e de uma forma que nunca poderia ter imaginado. De acordo com vários de seus relatos, grandes edifícios nas esquinas pairavam sobre ela como os arcos de navios gigantes. Os galhos das árvores pareciam palpáveis. Dessa forma, Barry estava vendo em profundidade 3D pela primeira vez. Toda essa experiência a levou a reavaliar a plasticidade do cérebro e a reabilitação dos neurônios em adultos, assuntos enfatizados em suas aulas e em seus textos.

Ambliopia é tema de estudo da neurocientista

Susan Barry também destacou e revisou alguns estudos referentes à Ambliopia (Olho Preguiçoso). Em seu artigo publicado na Optometrists Network, ela ressalta que novas pesquisas científicas contradizem as crenças populares e as principais teorias da prática médica sobre limites de idade para o tratamento bem-sucedido do Olho Preguiçoso.

De acordo com a neurocientista, um estudo feito em 2005 em vários locais do Instituto Nacional de Olhos dos Institutos Nacionais de Saúde demonstrou que crianças de 13 a 17 anos de idade podiam melhorar a visão em seus olhos ambliópicos com uma combinação de óculos, remendos e atividades de visão de perto, enquanto usavam um patch.

Ainda em seu artigo, Susan destaca que uma das principais razões pelas quais crianças e adultos com Ambliopia ainda estão sendo informados sobre ser tarde demais para o sucesso do tratamento é a lacuna significativa — em média 17 anos — entre o tempo de lançamento das pesquisas e os resultados científicos disponibilizados para a prática clínica de forma geral.

Confira no link abaixo o artigo original escrito por Susan Barry sobre Ambliopia

https://www.lazyeye.org/lazy-eye-amblyopia-age-treatment-adult.html

No vídeo abaixo, eu falo um pouco mais sobre a experiência de Susan Barry e ensino a fazer os exercícios com as contas de Brock, a mesma técnica usada pela neurocientista

IMPORTANTE

Os exercícios visuais NÃO substituem o tratamento médico oftalmológico convencional. Consulte regularmente o seu oftalmologista, pois o método de exercícios naturais para os olhos é complementar à sua saúde visual. Não desautoriza nem desestimula, de forma alguma, a continuidade do tratamento médico oftalmológico.
Em caso de dúvida ou desconforto em seus olhos, procure o médico oftalmologista. Só ele é autorizado a fazer diagnósticos e a receitar ou suspender qualquer tipo de medicação.Não se automedique nem suspenda qualquer tipo de medicamento ou de tratamento sem a autorização do seu médico oftalmologista.