Cirurgia de catarata: Quais são os riscos?Foi notícia nesta semana, depois de ir ao ar no programa do Fantástico, a perda da visão de um grupo de idosos que se submeteram ao mutirão de cirurgia de Catarata em Barueri–SP. Esta semana recebi muitos e-mails e comentários no blog pedindo esclarecimentos e minha opinião sobre esta cirurgia.

Assisti uma reportagem, uma semana antes, no mesmo Fantástico, onde eram exibidas as maravilhas dos mutirões de cirurgia de catarata. Senti uma dor no coração e me lembro de comentar com meu esposo: espero estar errada, mas, possivelmente, muitos destes casos operados não necessitariam correr os riscos da cirurgia, tomara que ocorra tudo bem.

Infelizmente minhas suspeitas foram confirmadas.

Digo isso não só por estes casos divulgados na mídia, mas porque presencio histórias de perda ou redução de visão após cirurgia de catarata todos os meses em meu consultório aqui em São Paulo. O que mais ouço: a se eu soubesse dos exercícios visuais antes, eu provavelmente não teria perdido a visão deste olho.

Cirurgia de catarata: Quais são os riscos?

Como é feita a cirurgia de catarata?

A cirurgia de catarata fantasiosamente se tornou banal, porém não é tão inofensiva quanto parece e é divulgada.

A técnica cirúrgica consiste em retirar o Cristalino (lente interna dos olhos), e colocar no lugar uma lente artificial. Para tal, o procedimento mais utilizado atualmente consiste em fazer pequenos cortes na córnea para acessar o cristalino natural, cortá-lo/triturá-lo em pequenos pedaços, que são aspirados. No local é introduzida uma lente artificial.

Existem vários vídeos mostrando a cirurgia de catarata na internet, trago aqui um link para quem se interessar. Esta cirurgia aparentemente foi bem sucedida e rápida, e mostra bem a quebra do cristalino e colocação da lente artificial, porém caso você se impressione com cenas de cirurgia é melhor não acessar ok? Veja aqui!Cirurgia de catarata: Quais são os riscos?

Veja bem, é maravilhoso poder contar com a tecnologia, e a cirurgia de catarata é indicada principalmente em casos de Catarata congênita (em bebês), e quando se encontram em estágios muito avançados. Quero deixar claro que não sou contra a cirurgia, mas sim contra ela ser indicada indiscriminadamente, para pessoas que tem uma visão que funciona, que leem, dirigem, e tem a possibilidade de recuperar o Cristalino por meio de exercícios visuais.

Por isso faço um apelo para que você se informe dos riscos abaixo. Peço desculpas por me estender e escrever um texto longo, mas é muito importante, e escrevo porque quero alertar o maior número de pessoas possível, e quem sabe evitar que algo ruim aconteça com seus olhos.

Cirurgia para catarata – Quais são os riscos?

Todo procedimento tem riscos, por mais seguro que pareça. Inclusive a cirurgia de catarata. Por essa razão, geralmente um olho é operado antes, e o outro só após verificar se não ocorreram algumas das complicações abaixo:

  • Catarata secundária: Opacificação da cápsula posterior do cristalino, camada fina, preservada após a cirurgia lazer. Ocorre como se fosse uma segunda Catarata, em cerca de 30% dos casos, segundo pesquisa da universidade de Harvard (“The Aging Eye: A Special Health Report from Harvard Medical School”, Ed. Fine, Laura C. M.D e Heier, Jeffrey S. M.D., copyright 2006, Harvard Health Publications, Boston, MA.)
  • Vazamento pela incisão: Podem ocorrer vazamentos pelos cortes feitos na córnea durante a cirurgia de catarata que em alguns casos precisam de pontos para serem corrigidos.
  • Infecção pós operatória ou endoftalmite: Inflamação ocular desencadeada por infecção que pode ser observada como dor intensa, vermelhidão, edema palpebral, opacidade corneana e exudatos evidentes no vítreo, às vezes podendo necessitar de vitrectomia (retirada do vítreo).
  • Glaucoma: Uma porcentagem pequena das pessoas desenvolve Glaucoma (lesão decorrente do aumento da pressão intraocular) após a cirurgia de catarata.
  • Descolamento de Retina: Particularmente o que mais verifico no consultório. Muitas vezes em míopes ou diabéticos, mas já presenciei casos em que a pessoa não tinha histórico algum de problemas visuais anteriores. De acordo com estudos recentes um paciente submetido à cirurgia de catarata tem 2.3 vezes maiores chances de descolar a retina comparado com a população normal.
  • Edema macular cistóide: Os tecidos da macula podem inchar, associado a sintomas de embaçamento, distorção visual e fotofobia. Ocorre de 4 a 6 semanas de pós-operatório. As chances de melhora espontânea são grandes, porém 0,5 a 2 porcento dos pacientes que tiveram baixa de acuidade visual terão déficit visual permanente, com alterações maculares por lesão dos fotorreceptores.
  • Lente descentralizada: A lente artificial pode não se posicionar bem, causando visão turva, falta de foco ou visão dupla. Por vezes ocorre por lacerações decorrentes da cirurgia, ou acidentes.

 A banalidade com que estes riscos da cirurgia são tratados me assusta. Para você ter uma ideia, um estudo sobre os processos judiciais sofridos pelos médicos oftalmologistas revelou que a maior causa das reclamações dos pacientes advinham da cirurgia de catarata, cerca de 65,7%, enquanto outros 11% ficaram insatisfeitos com a cirurgia refrativa. Os casos de processos ocorreram em razão da perda ou redução significativa da visão após os procedimentos.

Fico imaginando os casos que não chegam até mim, ou então que não entram na justiça. Provavelmente são muitos, infelizmente.

Porém, quando o suposto e esperado benefício é muito maior que o risco, pode ser que valha a pena. O que tenho certeza é que se você tem uma visão boa, que possibilita você fazer muitas atividades do dia-dia, mesmo com certa dificuldade de nitidez, você pode recuperar seu Cristalino com exercícios, medicamentos naturais e terapias muito menos invasivas e arriscadas que a cirurgia de catarata.

Alternativas às cirurgias de catarata

A catarata ocorre tão regularmente que equivocadamente acreditamos ser um processo natural do envelhecimento. A vida moderna impede que o Cristalino funcione plenamente. Quantas vezes olhamos longe, ou ficamos ao ar livre hoje em dia? Temos hábitos que prejudicam a visão e os repetimos durante anos, e é claro que depois de 40, 50 anos, se não exercitarmos e cuidarmos de nossos olhos, as chances de ocorrer Catarata são grandes.

Saiba que o Cristalino natural se liga a músculos, que o movimentam para ajustar o foco. Ativamos este movimento quando mudamos o foco do olhar, ora perto, ora longe. A lente artificial não fará este movimento, portanto você terá que usar óculos para ter uma boa visão para perto.

Cirurgia de catarata: Quais são os riscos?

Não recomendo de maneira alguma a monovisão, ou seja, após a cirurgia, em um olho a lente artificial verá bem para perto, e no outro para longe. Isso não é orgânico e confundi o sistema visual. Os dois olhos precisam trabalhar juntos e desta forma ficará muito difícil. Meir Schneider também recomenda em seu livro Saúde Visual por toda a vida, que caso haja necessidade da cirurgia de catarata, prefira que as duas lentes (do olho direito e esquerdo) lhe sirvam bem para a visão longe sem óculos e perto com óculos. Com o tempo e os exercícios talvez você consiga ler sem eles.

Se você já se submeteu a operação de Catarata, e seu caso provavelmente foi um sucesso, ou não, os exercícios visuais são de grande valia também, pois preservam a saúde dos olhos, e diminuem as chances das complicações ocorrerem.

O fato é que, com exceção das crianças que já nasceram com cataratas, e nesses casos a cirurgia de catarata é benéfica, precisamos lutar para preservar nossos cristalinos. Acredito e compartilho do mesmo pensamento que Meir Schneider “Grande parte das pessoas a quem a cirurgia de catarata é recomendada hoje nunca teriam que se submeter a ela. Meu conselho é trabalhe em si mesmo, seu objetivo não é evitar a cirurgia de catarata, mas sim ter olhos saudáveis. Não necessitar da cirurgia será uma consequência”.

IMPORTANTE

Os exercícios visuais NÃO substituem o tratamento médico oftalmológico convencional. Consulte regularmente o seu oftalmologista, pois o método de exercícios naturais para os olhos é complementar à sua saúde visual. Não desautoriza nem desestimula, de forma alguma, a continuidade do tratamento médico oftalmológico.
Em caso de dúvida ou desconforto em seus olhos, procure o médico oftalmologista. Só ele é autorizado a fazer diagnósticos e a receitar ou suspender qualquer tipo de medicação.Não se automedique nem suspenda qualquer tipo de medicamento ou de tratamento sem a autorização do seu médico oftalmologista.